Início | Últimas citações | Lista de autores | Temas | Citações aleatórias | Vote! | Últimos comentários | Adicione uma citação

William Shakespeare

Gloucester: Verão curto, Primavera precoce.

diálogo in Ricardo III, Acto terceiro, Cena 1, roteiro de William Shakespeare (1593), tradução de Carlos A. NúñezReportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia! | Em inglês | Em espanhol | Em italiano | Em romeno

Share

Citações relacionadas

William Shakespeare

O Conde de Gloucester: É a praga destes tempos que os cegos sejam guiados pelos loucos.

diálogo in Rei Lear, Acto quarto, Cena 1, roteiro de William Shakespeare (1606)Reportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia! | Em inglês | Em espanhol | Em italiano | Em romeno

Share
Henri de Toulouse-Lautrec

O Outono é a Primavera do Inverno.

citação de Henri de Toulouse-LautrecReportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia! | Em inglês | Em espanhol | Em italiano | Em romeno

Share
Ernesto Che Guevara

As tantas rosas que os poderosos matem nunca conseguirão deter a primavera.

citação de Ernesto Che GuevaraReportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia!

Share
William Shakespeare

Hérmia: Não há maior inferno: estranhos olhos para escolher o amor!

diálogo in Sonho de uma Noite de Verão, roteiro de William Shakespeare (1595)Reportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia! | Em inglês | Em espanhol | Em italiano | Em romeno

Share
Wang Wei

Lago das Lentilhas d’água

Lago fundo e imenso
na primavera
O pequeno barco
ainda demora.
As lentilhas d’água
reagrupam-se,
varridas mais uma vez
pelos galhos do salgueiro.

poema de Wang Wei, tradução de Sun YuqiReportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia! | Em inglês | Em espanhol | Em romeno

Share
Henry Van Dyke

O tempo é

O tempo é muito lento para os que esperam
Muito rápido para os que têm medo
Muito longo para os que lamentam
Muito curto para os que festejam
Mas, para os que amam, o tempo é eterno.

poema de Henry Van Dyke in Música e Outros Poemas (1904)Reportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia! | Em inglês | Em espanhol | Em romeno

Share

A antipatia do Largo de São Francisco fica mais acentuada nas primeiras horas da manhã, dos dias de verão. O Sol o cobre inteiramente e se espadana por ele todo com a violência de um flagelo.

Lima Barreto in Diário Íntimo (1953)Reportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia!

Share
Wang Wei

Outono de tarde na montanha

Choveu há pouco
na montanha deserta,
A brisa da tarde enche
de frescor o outono...
Os galhos dos pinheiros
abrem-se aos raios da lua,
Uma fonte pura acaricia
os rochedos,
Quase tocando as flores de lótus,
as barcas dos pescadores.
Risos entre os bambus:
são as lavadeiras de volta.
Por todo lado
ainda a beleza da primavera...
Por que você também
não fica mais um pouco?

poema de Wang Wei, tradução de Sun YuqiReportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia! | Em inglês | Em espanhol | Em romeno

Share
Mihai Eminescu

Floresta, porque tremes?...

– Floresta, porque tremes?
Não chove, o vento não uiva,
Nem te estremece a ramagem.
– Como posso não tremer
Se o meu tempo está a findar!
Morre o dia, nasce a noite
E fenecem os meus ramos.
Nas folhas velhas um sopro gélido
os meus cantores afugenta;
com o seu hálito outonal
Parte o Verão, chega o Inverno
como não hei-de tremer
vendo as aves abalar
E pelo céu gélido passam
os bandos de andorinhas,
com elas vão meus sonhos
e ficam os pensamentos
Uma a uma vão voando
e o dia noite se faz
nos instantes que me fogem
num bater de asas fugaz.
E eu fico desamparada
tremendo fria, gelada
Meus sonhos foram com as aves
e toda a minha alegria
voou para longe também.

poema de Mihai EminescuReportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia! | Em romeno

Share
William Butler Yeats

Rumo a Bizâncio

I.
Este país não é para velhos. Jovens
Abraçados, pássaros que nas árvores cantam
- essas gerações moribundas -
Cascatas de salmões, mares de cavalas,
Peixe, carne, ave, celebrando ao longo do Verão
Tudo quanto se engendra, nasce e morre.
Prisioneiros de tão sensual música todos abandonam
Os monumentos de intemporal saber.

II.

Um velho é coisa sem valor,
Um andrajo apoiado num bordão, a não ser que
A alma aplauda e cante, e cante mais alto
Cada farrapo da sua mortal veste.
Nem há escola de canto somente o estudo
Dos monumentos de seu próprio esplendor;
Por isso cruzei os mares e cheguei
À sagrada cidade de Bizâncio.

III.
Oh, sábios que estais no sagrado fogo de Deus
Qual dourado mosaico sobre um muro,
Vinde desse fogo sagrado, roda que gira,
E sede os mestres do meu canto, da minha alma.
Devorai este meu coração; doente de desejo
E atado a um animal agonizante
Ele não sabe o que é; juntai-me
Ao artifício da eternidade.

IV.
Da natureza liberto jamais de natural coisa
Retomarei minha forma, meu corpo,
Mas formas outras como as que o ourives grego
Em ouro forja e esmalta em ouro
Para que o sonolento Imperador não adormeça;
Ou em dourado ramo pousado, cantarei
Para damas e senhores de Bizâncio
Cantarei o que passou, o que passa, ou o que virá.

poema de William Butler Yeats, tradução de José Agostinho BaptistaReportar um problemaCitações relacionadas
Adicionado por Dan Costinaş
Comente! | Vote! | Cópia! | Em inglês | Em romeno

Share
 

Vote agora

Google+

Se você considera este interessante, pode compartilhar com os outros e dizer ao Google